TECNOLOGIA, COMUNHÃO E AMIZADES

TECNOLOGIA, COMUNHÃO E AMIZADES

 

Há algumas semanas venho refletindo sobre como as pessoas estão se comportando quando o assunto é amizade. Quando digo a palavra pessoas , estou inclusa no rol e observei a mim mesma, o meu comportamento em relação aos meus amigos.

Acho que nunca percebi as pessoas tão distantes. Há uma pressa em se afastar que beira à loucura. Parece que não há mais aquele prazer em se deleitar em uma longa conversa com os seus amigos, parentes ou pessoas que amamos, mais fácil mandar um sms, um recadinho no whatsapp ou às vezes nem isso, afinal estamos ocupados demais.

Infância sem comunicação?

Lembro que quando eu era criança, íamos para o interior no qual nasceu minha mãe. O nome da cidade é Tauá e fica nos Sertão Central do Ceará. Naquele tempo não havia nem computador, quanto mais internet. O que ainda era usado para separar as distâncias era o telefone fixo. Não havia celular.

A maior diversão da gente? Conversar ou ver TV. Eu ficava ouvindo as história dos mais velhos ou simplesmente conversando sobre as coisas que havia no interior, sobre as lendas estranhas que todo interiorzinho tem. Falava-se de vampiros, lobisomens e coisas assim.

Mas era legal. Quando anoitecia eu deitava no chão da calçada da casa do meu avô , no piso de cimento queimado bem geladinho, e contemplava o espetáculo da criação de Deus: o céu estrelado, coias que hoje a luminosidade excessiva das ruas nos impede de ver na sua plenitude.

A tecnologia que aproxima e separa

A tecnologia aproximou pessoas que vivem do outro lado do planeta e distanciou aquelas que vivem a poucos metros de distância. Ninguém mais se fala como antigamente e o telefone fixo virou quase uma peça rara.

Tudo se resolve na tela de um smartphone, até brigas e desentendimentos são iniciados nas redes porque que gente acaba interpretando frases e emoticons de maneiras equivocadas e criando coisas que não existem.

O que tenho percebido é que não me sinto mais tão à vontade  com o whatsapp. Gosto mesmo é de conversar pelo Skype e de ver gente, ver as reações  das pessoas e não apenas as traduções em um emoticon  ou frases . No whatsapp, o recurso de áudio é com certeza a parte mais interessante, mas ainda pouco utilizada por alguns.

A necessidade de voltar

Percebi a necessidade de voltar às velhas práticas de conversação e isso tem se tornado viciante. Fizemos novos amigos, pessoas que gostam de falar, coisa rara hoje em dia.

Quando o culto acaba na minha igreja, somos quase expulsos literalmente porque somos os últimos a sair. A gente conversa, como antes de toda essa parafernália tecnológica que achávamos que resolveria o problema da comunicação.

Esse mesmo amigos vieram a nossa casa para uma pequena reunião que quase se tornou uma vigília. Passamos o dia conversando, lemos a Palavra, louvamos a Deus, conversamos besteira também.

Comemos muita coisa gostosa, pelo menos eu espero que eles tenham gostado da minha comida rsrs, ou seja, tivemos comunhão e pedimos a Deus que isso se estendesse aos outros irmãos, porque precisamos disso como seres humanos e precisamos disso como igreja.

Mas com aqueles amigos que são muito ocupados e trabalham muito, as tecnologias de comunicação são sim de grande valia. Podemos através delas, estar sempre em contato e marcar nossos passeios para colocar o assunto em dia. Para termos também nossos momentos de comunhão.

 

Uma nova forma de compartilhar entre amigos

A era da comunicação também criou outra necessidade: a de se esconder. Enquanto uns quase numa síndrome de narciso veiculam cada passo do seu dia e criam até vlogs para mostrar cada pedaço da sua rotina, outros se escondem com medo de olho gordo e perseguição.

Não sou contra a nenhum dos dois comportamentos, pois cada um sabe de si e vai colher as consequências do que semear. Mas é bom evitar os extremos.

O que acho que deve haver nesses tempos tão diferentes é um certo bom senso no que diz respeito a compartilhar. Divida algumas coisas mas guarde as mais especiais para os mais chegados, pois algumas conquistas usas nem todos estão preparados para saber.

A inveja em si não é uma coisa que vá diretamente te causar mal, mas sim o que deriva dela. Pessoas invejosas fazem de tudo par nos prejudicar, mesmo que inconscientemente, por isso veja bem com quem compartilha a sua vida, principalmente em rede.

Os produtos humanos da tecnologia

Com eu disse em parágrafos anteriores, um dos objetivos da tecnologia, mais precisamente da tecnologia da informação e comunicação é resolver o problema da comunicação, é acabar com as distâncias e entregar informação em qualquer lugar do mundo a qualquer hora.

Isso é muito positivo e revoluciona a forma como vivemos. Nesse ponto a tecnologia resolveu sim um problema, mas criou outros.

Criou pessoas algumas frias e insensíveis, incapazes, às vezes , de se abrir, de confiar no outro. Como se o outro fosse um dispositivo prestes a ser invadido por um hacker e pronto a disseminar as conversas por aí.

Claro que você não vai contar a sua vida para quem mal conhece, mas vejo que a paranoia de alguns é tão grande, para os amigos não partilham suas emoções e dores, porém,  o que não contam para os amigos, espalham por meio de indiretas e frases de efeito no Facebook.

A grama verde sempre é a do vizinho?

A tecnologia também criou pessoas que amam espalhar que a vida está boa nas redes sociais, exibem duas vidas perfeitas, sentem a necessidade de se firmarem cada vez mais nesse cenário digital.

Um conselho que eu dou: não se compare, porque ninguém nessa terra tem a vida perfeita e acredito que , quanto mais se compartilha esse tipo de coisa, mas se mostra o contrário.

É como se fosse aquela coia de mostrar pra todo mundo que está bem, quando na verdade a maioria das pessoas nem se importa com isso e os seus amigos de verdade vão saber que as coisas estão fluindo bem, então pra que publicizar a vida como se fosse o resultado de um concurso público?

Cada dia mais artificial

A tecnologia criou pessoas capazes de escrever palavras bonitas e compartilhá-las nas redes sociais mas tolheu, de certa forma,  o calor humano, o poder um abraço.

Tanto que há pessoas que acham estranho dar ou receber abraços e ficam constrangidas. É mais fácil enviar um emoticon via whatsapp. Alguns quando abraçam parecem que tem medo de pegar alguma doença. A humanidade está ficando cada vez mais esquisita.

Mas que fique bem claro que não estou falando de abraçar estranhos, até porque dependendo da cultura do país isso seria inconveniente. Mas abraçar seus amigos , seus parentes( nem todos rsrs) é saudável e é comprovado cientificamente o poder que um abraço tem.

Não é agora pra sair por aí abraçando todo mundo, mas abrace sua mãe, seus irmãos, seus amigos mais chegados, faz bem e não custa quase nada.

E olha só que dado legal: quando você abraça outra alguém, com afeto, o corpo libera dopamina, endorfinas e oxitocina, químicos que impulsionam o bem-estar, por isso que não é pra abraçar todo mundo, imagina o que um abraço contra a vontade não pode fazer hehe?

Você é contra à tecnologia?

Não sou contra a tecnologia, pelo contrário , sou uma apaixonada por ela, principalmente na área da comunicação. Mas acredito que precisamos observar bem como a estamos utilizando, para no final das contas não virarmos uma ilha cercada de emoticons e amigos virtuais e carentes de palavras, de afeto, de abraços, de companhia, de ser gente.

A tecnologia é o que você faz dela, peça a Deus sabedoria para usá-la e não deixe de ser gente.

Palavra do dia: E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça.
João 1:16

 

 

 

No Comments

Deixe aqui o seu comentário e se tiver um blog deixe também o link para eu poder visitá-lo.