VESTIDO AZUL

FRANÇA, O CENTRO DA MODA NO SÉCULO XVIII

Share

FRANÇA, O CENTRO DA MODA NO SÉCULO XVIII

O domínio francês na moda internacional começou no início do século XVIII. A moda era ditada pela realeza. Até a Revolução Industrial havia apenas duas classes sociais que predominavam: os grandes ricos (donos de terras) e os trabalhadores e agricultores pobres.

A riqueza era concentrada nas mãos dos latifundiários, que eram os únicos que podiam usas “as roupas da moda”. A realeza definia quais seriam as tendências da moda e os outros aristocratas tentavam seguir o seu exemplo para obter aprovação.

O TRABALHO FEITO À MÃO

                                            Criação de Charles Worth – Fonte das imagens: Mondomoda.org

As roupas produzidas na França do século XVIII eram feitas por alfaiates e costureiras, de forma meticulosa e sob medida. Demandavam uma enorme quantidade de trabalho. Um fato curioso é que identidade dos alfaiates e costureiras era mantida em segredo, pois ninguém queria compartilhar os talentos de uma boa costureira com os demais, com medo de perdê-la.

As pessoas pobre confeccionavam as próprias roupas ou vestiam aquilo que era descartado pelos ricos. A escassez de recursos era tanta , que as roupas mais elaboradas dos camponeses, aquelas utilizadas em ocasiões especiais,  eram cuidadosamente guardadas para serem usadas por vária gerações.

O contraste terrível entre ricos e pobres, notório pelas extravagâncias da corte durante o século XVIII, foi um dos propulsores para a Revolução Francesa, que tinha por lema Liberdade, Igualdade  Fraternidade.

O CRESCIMENTO  DA ALTA COSTURA 

Criação de Charles Worth – Fonte da imagem: Mondomoda.org

A frança se tornou o centro da moda devido ao patrocínio da corte real e também pelo fato da indústria da seda ter se desenvolvido no país. Na França, a arte do corte e costura era conhecida como couture. O designer era chamado de couturier e a designer de couturière.

Charles Worth é considerado o pai da alta costura. Foi o primeiro designer independente bem-sucedido, com clientes importantes como a imperatriz Eugénie, esposa do imperador Napoleão III.

Alguns couturiers empreenderam e passaram a dirigir salões com seus próprios alfaiates e costureiras. Outras casas de costura começaram a fazer o mesmo e dessa forma o mercado internacional para  a moda parisiense cresceu.

Os designers de alta-costura seguiram sendo ícones do design de moda por mais de um século, estabelecendo tendências para a Europa e para o resto do mundo ocidental.

QUEM NÃO PODIA COMPRAR COPIAVA

    Bonecas em miniatura na Exposição Le Théâtre de la Mode Fonte da imagem:http://www.frutodaimaginacao.com/

Os designers da França confeccionavam vestidos em miniaturas e enviavam para clientes em potencial ,que faziam seus pedidos. Os vestido eram encaminhados em bonecas.

Como se tratava de alta-costura, não era acessível a todos. Apenas os muito ricos podiam tê-los. Algumas dessas bonecas foram parar nos Estados Unidos.

Como a maioria das pessoas não podia comprar esse tipo de roupa, deram um jeitinho de copiá-las, pelo menos em parte.

Fonte de pesquisa: FRINGS, Gini Stephens. Moda: do conceito ao consumidor. 9ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

No Comments

Deixe aqui o seu comentário e se tiver um blog deixe também o link para eu poder visitá-lo.