INTOLERÂNCIA À LACTOSE: O QUE COMER?

Share

Intolerância à lactose: o que comer? 

“A postagem de hoje é cortesia do meu maridinho amado que convive com uma pessoa intolerante  (rsrrs), mas à lactose hehe. Ele teve que se adaptar a muitas coisas desde que casou com uma pessoa que tem intolerância à lactose e inclusive passou a ingerir alimentos sem lactose e sem leite também…”

Se você chegou até a essa postagem, é porque você, provavelmente,  faz parte de um desses grupos: dos adultos que acabaram de descobrir que desenvolveram intolerância à lactose, dos pais que tem filhos com intolerância a lactose ou se casou com uma pessoa com intolerância à lactose. O meu caso é esse último.

A adaptação

A Dani, minha esposa, tem intolerância à lactose e quando nos casamos foi preciso que eu me adaptasse a uma alimentação sem lactose também. Por quê? Primeiro, porque seria muito oneroso ficar comprando alimentos separados para mim e para ela e segundo, apesar de ser intolerante, a Dani gosta de leite e seria maldade fazê-la passar vontade com alimentos à base de leite comum.

Então, vou dar, sugerir algumas opções para quem é ou quem convive com alguém que tem intolerância à lactose e quer saber o que comer.

Opção 1 – Comprar alimentos sem lactose

A primeira opção e mais óbvia é comprar alimentos sem lactose. Hoje em dia há muitas empresas que vendem leite e seus derivados sem lactose, como: Piracanjuba, Italac, Itambé e várias outras.

Os locais onde vendem, depende muito da cidade. Geralmente é possível encontrar em grandes redes de hipermercados.

No nosso caso, encontrar produtos sem lactose não chega a ser um problema, já que moramos em Fortaleza e o número de pessoas intolerantes à lactose aqui é bem considerável e as empresas do ramo alimentício tem procurado atender a esse público. Mas mesmo assim, vez ou outra falta.

Opção 2 – Consumir alimentos sem leite

Mas dependendo de onde você vive, o acesso a esses alimentos pode ser difícil. Se na sua cidade não há muitas ou nenhuma opção de alimentos sem lactose, o jeito é se adaptar a consumir alimentos sem leite.

No nosso caso, chegamos perto disso, não por causa da escassez de produtos sem lactose, mas porque além da lactose (que é um tipo de açúcar), a Dani tem problemas com a proteína do leite (a caseína) que causa nela uma crise de rinite e até asma, dependendo da quantidade de leite que ela consome, mesmo se for leite sem lactose (no processamento do leite retiram a lactose, mas não a proteína).

Então o consumo de leite acaba ficando restrito. O jeito é encontrar substitutos. Por sorte ela gosta de cevada (não a cerveja, a cevada em pó mesmo).

Às vezes, até compramos leite sem lactose e então ela toma uma quantidade reduzida, que não dê problemas (uma vez a cada dois dias) e eu consumo normal.

Além disso, o leite sem lactose e seus derivados, são um pouco mais caros do que o normal. Se você não faz questão de leite todo dia ou quer economizar nas compras, pode fazer como eu, tomar suco de frutas ou café – eu adoro café, mas cevada, não dá, cada um com seu gosto.

Outras opções são receitas veganas. Você pode não querer ser adepto do veganismo, mas pode se inspirar nelas para criar pratos sem leite.  É possível adaptar as receitas comuns e também modificar as receitas veganas. Mas há ainda a possibilidade de usar o leite sem lactose em receitas tradicionais ou diminuir a quantidade de leite se além da intolerância você também tiver alergia. Você pode conferir uma lista de receitas sem lactose, algumas levem leite(sem lactose) outras não, nesse link: RECEITAS SEM LACTOSE

Opção 3 – Não comer, caso não saiba se na comida tem leite ou não

Essa está mais para um conselho do que opção. Para os intolerantes à lactose, comer fora só é um problema mesmo, quando você vai à casa de pessoas que não sabem que você ou seu parente tem problemas com a lactose ou em outras situações sociais como happy hour do trabalho, em que comer faz parte do momento social.

Às vezes, quando não há alternativa e, para não fazer desfeita, a Dani acaba comendo um pedaço de um bolo ou outra coisa com leite comum.

Mas se isso acontece, e principalmente à noite, ela passa mal no meio da madrugada. Nem ela e nem eu, dormimos. Por isso, eu acho que o melhor é ser sincero e dizer que não pode comer alimentos com leite, do que se preocupar com o que os outros vão achar e depois passar mal.

Nós não temos filhos, mas imagino que para os que tem, deve ser mais difícil, principalmente nas festas infantis dos filhos dos outros. Nesse caso, eu penso que é melhor ensinar o seu filho (a) a não comer coisas com leite na festa e depois recompensá-lo com doces sem lactose.

Opção 4 – Usar enzima para degradar a lactose

Outra alternativa é usar enzimas para lactose nos alimentos, quando você for comer fora e não tem como saber se na comida há ou não leite.

A Dani usa uma enzima chamada Lactosil e funciona muito bem. Mas essas enzimas são caras, então só é bom usar quando for comer fora e em uma situação em que você não pode escolher ou quando você está afim mesmo é de comer algo com leite sem se preocupar com os efeitos colaterais.

Se quiser saber mais sobre a enzima Lactosil e como usá-la corretamente, você pode dar uma olhada nesses artigos aqui:

Lactosil: uma alternativa para quem intolerância à lactose

Lactosil: como usar?

Consumir alimentos sem leite não é tão difícil

Como eu já disse, consumir apenas produtos sem lactose e utilizar enzimas toda vez que for comer fora, acaba por sair caro para muitas pessoas.

Por isso é mais econômico mudar um pouco os hábitos e escolher e preparar alimentos sem leite mesmo, quase como uma comida vegana. É até um incentivo para consumir mais frutas.

Tem muitos alimentos que são preparados sem leite. E se você for uma pessoa criativa na cozinha, isso vai ajudar bastante. Caso contrário, é só pesquisar por receitas sem leite no Google.

Se for comer fora, a solução é escolher lugares em que a comida não tenha leite, como os restaurantes japoneses, por exemplo. Quase tudo na vida é uma questão de hábito. Depois que muda o hábito fica fácil.

Além disso, beber e comer coisas sem leite, até pode ser bom para a saúde no final das contas. Gostaria de confirmar isso, mas suspeito que junto com o leite de vaca, venha resíduos de vacinas e medicamentos que são aplicados no animal e isso pode se acumular no organismo e ter efeitos não muito bons à longo prazo. É para se pensar e se informar.

E para quem tem rinite, como a minha esposa, beber menos leite, de qualquer tipo, ajuda muito a ter uma vida mais saudável. Mas cada caso é um caso, então é sempre melhor buscar a orientação de um médico e de um nutricionista.

Palavra do dia:E multiplicarei homens e animais sobre vós, e eles se multiplicarão, e frutificarão. E farei com que sejais habitados como dantes e vos tratarei melhor que nos vossos princípios; e sabereis que eu sou o Senhor.
Ezequiel 36:11

2 Comments

  • Reply Renata junho 27, 2016 at 6:49 pm

    Boa tarde!

    Você teria um médico para me indicar que eu possa fazer todos os exames necessários para saber as possíveis alergias e intolerâncias que eu possa ter? Acredito que eu não tenha apenas intolerância à lactose. Sempre passo muito mal com produtos sem lactose. Obrigada.

    • Reply Daniele Leite junho 27, 2016 at 8:00 pm

      Boa tarde Renata, Dr. Raimundo Dantas foi o médico que diagnosticou minha intolerância. É um bom médico, atencioso e ouve o paciente. Atende por vários convênios.
      Contatos: RAIMUNDO DANTAS SAMPAIO GASTROENTEROLOGIA FORTALEZA ALDEOTA AV. DOM LUIS, 1200, SALA 1313 Tel: 85 4011 6313
      Quanto às alergias, você pode procurar o Dr. Adalberto Faustino V. Sanchez.
      Os dados dele estão aqui: Av. Santos Dumont, 2828 (sl 1404) (Centro) Tel: (85) 3486-1155

      Acredito que ele possa te ajudar.

    Deixe aqui o seu comentário e se tiver um blog deixe também o link para eu poder visitá-lo.